Mulheres vítimas de violência doméstica podem denunciar agressores por aplicativo Luciano Dias @jornlucianodias 28/04/2020 - 10h04 - Atualizado 10h34

Mulheres vítimas de violência doméstica podem denunciar agressores por aplicativo Luciano Dias @jornlucianodias 28/04/2020 - 10h04 - Atualizado 10h34 Compartilhe As mineiras vítimas de violência domé

As mineiras vítimas de violência doméstica ganharam mais um canal para denunciar o crime. O aplicativo MG Mulher, recém-lançado pelo governo estadual, facilita o acesso à Justiça em meio à quarentena imposta pelo novo coronavírus.

Nesta segunda-feira (27), o Hoje em Dia já havia mostrado que a violência contra a mulher cresceu durante a pandemia em alguns países. Em BH, apesar da queda nas ocorrências, autoridades estão atentas aos casos. Quem falou sobre o assunto foi a titular da Divisão Especializada em Atendimento à Mulher, ao Idoso, à Pessoa com Deficiência e Vítimas de Intolerância, Isabella Franca Oliveira. Reveja.

App
O aplicativo, disponível para download nos sistemas Android e IOS, reúne informações como endereços e telefones de apoio à vítima em casos de emergência, como delegacias da Polícia Civil, unidades da Polícia Militar e Centros de Prevenção à Criminalidade.

Com o aplicativo, os órgãos de segurança também poderão fazer o monitoramento dos agressores. A ferramenta possibilita a criação de rede colaborativa com familiares e amigos para contar com apoio das mulheres em caso de aproximação do suspeito.
“Além disso, a Polícia Militar criou um centro integrado de controle de monitoramento no qual é possível acompanhar os movimentos dos agressores. Elas irão receber um equipamento de alerta que poderá ser utilizado para buscar socorro. O Poder Judiciário poderá atuar com seus juízes e juízas ao conceder medidas protetivas”, explicou a superintendente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), desembargadora Alice Birchal.

As mulheres também podem denunciar qualquer tipo de violência sofrida através do Ligue 180. Em caso de urgência, acionar a PM pelo 190. Em BH, tem a delegacia especializada pelos telefones (31) 3330-5752 ou 5715.

Monitoramento eletrônico
O Estado também conta há um mês com o Programa MG Mulher, que prevê a atuação de uma equipe de policiais da Unidade Gestora de Monitoração Eletrônica (UGME) – responsável pelo monitoramento dos usuários de tornozeleiras eletrônicas.

Este grupo irá monitorar, de forma exclusiva e ininterrupta, os agressores que utilizam tornozeleira eletrônica e foram enquadrados na Lei Maria da Penha.
Além do monitoramento do agressor, a vítima também recebe um aparelho que ela pode carregar na bolsa, semelhante a um celular, que emite sinais luminosos, sonoros e vibratórios.

O aparelho emite as notificações quando o agressor se aproxima ou quando a UGME necessita entrar em contato com a mulher monitorada para orientá-la sobre novas decisões judiciais ou qualquer outro tema pertinente à sua ocorrência.

Outras Notícias

ENTRADA LIMPA NA MORADA DO SOL

Um trabalho em conjunto de funcionários da Prefeitura e moradores do Chacreamento Morada do Sol, entre Oliveira e São...

POLÍCIA APREENDE DROGAS NO ALTO

Durante operação policial de combate ao tráfico de drogas em uma casa na Rua João Augusto da Silva, no Bairro São Seb...

LIXO EM LOCAL IRREGULAR

Desde a semana passada, quando funcionários da Prefeitura fizeram uma limpeza na entrada do Chacreamento Morada do So...

ROUBO EM CASA NO ELDORADO

Uma senhora moradora do Bairro Eldorado foi vítima de assalto durante o final de semana em sua casa. Por volta das 18...