Mulheres vítimas de violência doméstica podem denunciar agressores por aplicativo Luciano Dias @jornlucianodias 28/04/2020 - 10h04 - Atualizado 10h34

Mulheres vítimas de violência doméstica podem denunciar agressores por aplicativo Luciano Dias @jornlucianodias 28/04/2020 - 10h04 - Atualizado 10h34 Compartilhe As mineiras vítimas de violência domé

As mineiras vítimas de violência doméstica ganharam mais um canal para denunciar o crime. O aplicativo MG Mulher, recém-lançado pelo governo estadual, facilita o acesso à Justiça em meio à quarentena imposta pelo novo coronavírus.

Nesta segunda-feira (27), o Hoje em Dia já havia mostrado que a violência contra a mulher cresceu durante a pandemia em alguns países. Em BH, apesar da queda nas ocorrências, autoridades estão atentas aos casos. Quem falou sobre o assunto foi a titular da Divisão Especializada em Atendimento à Mulher, ao Idoso, à Pessoa com Deficiência e Vítimas de Intolerância, Isabella Franca Oliveira. Reveja.

App
O aplicativo, disponível para download nos sistemas Android e IOS, reúne informações como endereços e telefones de apoio à vítima em casos de emergência, como delegacias da Polícia Civil, unidades da Polícia Militar e Centros de Prevenção à Criminalidade.

Com o aplicativo, os órgãos de segurança também poderão fazer o monitoramento dos agressores. A ferramenta possibilita a criação de rede colaborativa com familiares e amigos para contar com apoio das mulheres em caso de aproximação do suspeito.
“Além disso, a Polícia Militar criou um centro integrado de controle de monitoramento no qual é possível acompanhar os movimentos dos agressores. Elas irão receber um equipamento de alerta que poderá ser utilizado para buscar socorro. O Poder Judiciário poderá atuar com seus juízes e juízas ao conceder medidas protetivas”, explicou a superintendente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), desembargadora Alice Birchal.

As mulheres também podem denunciar qualquer tipo de violência sofrida através do Ligue 180. Em caso de urgência, acionar a PM pelo 190. Em BH, tem a delegacia especializada pelos telefones (31) 3330-5752 ou 5715.

Monitoramento eletrônico
O Estado também conta há um mês com o Programa MG Mulher, que prevê a atuação de uma equipe de policiais da Unidade Gestora de Monitoração Eletrônica (UGME) – responsável pelo monitoramento dos usuários de tornozeleiras eletrônicas.

Este grupo irá monitorar, de forma exclusiva e ininterrupta, os agressores que utilizam tornozeleira eletrônica e foram enquadrados na Lei Maria da Penha.
Além do monitoramento do agressor, a vítima também recebe um aparelho que ela pode carregar na bolsa, semelhante a um celular, que emite sinais luminosos, sonoros e vibratórios.

O aparelho emite as notificações quando o agressor se aproxima ou quando a UGME necessita entrar em contato com a mulher monitorada para orientá-la sobre novas decisões judiciais ou qualquer outro tema pertinente à sua ocorrência.

Outras Notícias

Pico da pandemia de coronavírus em MG deve ser no dia 6 de junho, diz secretário de Saúde

pico da pandemia de coronavírus em Minas Gerais deve ser o dia 6 de junho, como informou o secretário de estado de S...

Benefício bem suado: saques em espécie do auxílio emergencial voltam a lotar agências na capital

O saque em dinheiro da primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600, para quem tem a poupança digital da Caixa, ...

Cartórios de Minas registram 143 mortes 'possíveis' de Covid-19

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) divulgou, nesta terça-feira (28), que foram confirmadas 71 mortes de pacient...

Minas registra mais de 56 mil casos de dengue em 2020

Em meio à pandemia do novo cornavírus, a dengue ainda é uma preocupação. De acordo com o balanço da Secretaria Estadu...